Criatividade e geração de ideias: Análise de atributos

Hoje será apresentada a técnica de análise de atributos, que têm como objetivo a busca por ideias e inovação por meio da segmentação de um problema (objeto de estudo) através da observação e posterior isolamento de suas características. A análise individual dos subprodutos de um problema poderá levantar arestas que se passam despercebidas quando vistas […]

Hoje será apresentada a técnica de análise de atributos, que têm como objetivo a busca por ideias e inovação por meio da segmentação de um problema (objeto de estudo) através da observação e posterior isolamento de suas características. A análise individual dos subprodutos de um problema poderá levantar arestas que se passam despercebidas quando vistas sob um contexto geral. Vamos então conhecer melhor esta poderosa ferramenta de geração de ideias:

I. Definição

Análise de atributos consiste na geração de ideias tendo como base atributos ou características de um objeto ou problema de estudo. Simplificando, trata-se da geração de ideias através da análise de elementos separados de um tema em potencial. Conforme Alencar (2000, p. 60):

[…] é uma técnica que permite, após se relacionar características, qualidades, especificações de um objeto ou problema, desenvolver novas ideias que levam a modificações ou aperfeiçoamentos das distintas características ou atributos de um objeto ou problema.

II. Aplicação

Uma vez que se sabe o que é a ferramenta, pode-se então partir para sua aplicação. Portanto segue abaixo a metodologia de Weschsler (2002):

  1. Primeiro define-se um problema de pesquisa;
  2. Após são desmembrados os componentes deste problema;
  3. São então segmentados os atributos individuais deste problema;
  4. Por fim, faz-se o uso da ferramenta brainstorming para gerar a análise de atributos;

2.1 Definição de um problema

Todo o objeto de estudo parte necessariamente de um problema em potencial. Este problema pode ser: uma falha de projeto; uma deficiência de mercado; uma oportunidade de negócio; ou como prefiro utilizá-la, na criação de novos produtos / serviços.

Não perca muito tempo definindo problemas muito específicos, prefira sempre trabalhar com contextos generalizados nesta etapa. Como por exemplo: Preciso criar um novo portal de notícias; Ou então: preciso de um meio alternativo para abrir garrafas de cerveja =]. O importante nessa etapa é abranger um nicho e assim partir para a próxima etapa de desmembramento.

2.2 Desmembramento de componentes

Uma vez definido um problema / objeto de estudo, pode-se então quebra-lo em diversos componentes, quanto mais, melhor. Tomamos como exemplo a garrafa de cerveja, quais são os componentes que compõem essa garrafa?

Tampa, Vidro, Rótulo, Boca, Fundo, Gargalo.

Desmembramento de componentes de uma garrafa de cerveja

Não se limite aos componentes físicos, são válidos também componentes conceituais e de funcionamento, principalmente no caso de se trabalhar com objetos / ideias abstratas.

2.3 Segmentação de atributos

Desmembrados os componentes do problema, parte-se para a segmentação individual de atributos. Nessa etapa são analisados individualmente cada item e levantadas suas características (atributos). Esta é uma das etapas mais importantes da ferramenta, pois nela são geralmente encontrados vestígios de oportunidades e inovação. Voltamos ao exemplo da garrafa, onde ao segmentar os atributos do componente “tampa” obtemos:

Pequena, Média, Grande, De metal, De plástico, Rolha, De vidro, Com rosca, Sem Rosca, Redonda, Quadrada, Hexagonal, etc…

Análise de atributos do elemento tampa

2.4 Análise de atributos

Uma vez distribuídos os atributos dos componentes, parte-se então para a análise de atributos. Nesta etapa são comparados e analisados os atributos abstratos à problemática geral do objeto de pesquisa. Wechsler (2002, p. 274) sugere o uso da tempestade de ideias (brainstorming) para assim desenvolver uma lista de modificações que poderiam ser feitas em cada um dos seus atributos para atender ao problema. No final, após filtrar os resultados do brainstorming obtêm-se uma tabela semelhante ao exemplo abaixo.

Segmentação Atributos Modificações
Tampa
  • PequenaMédia
  • Grande
  • De metal
  • De plástico
  • Rolha
  • De vidro
  • Com rosca
  • Sem rosca
  • Redonda
  • Quadrada
  • Hexagonal
  • Oval
  • Tampas no formato hexagonal poderiam facilitar a abertura manual da garrafa;
  • Tampas pequenas necessitam de menor esforço para a abertura;
  • Tampas de plástico oferecem menor resistência e menor risco de cortes e ferimentos;
  • Rolhas conservam melhor o aroma da bebida;
  • Roscas reduzem o esforço para abrir as garrafas;
  • Tampas ovais podem ser adaptadas com botões ou processos mecânicos de modo a facilitar a abertura da garrafa por meio de pressão.
  • Garrafas podem ser seladas com uma fina camada de plástico semelhante às utilizadas em potes de alimentos, bastando fura-las para consumir o produto;
  • Tampas poderiam ter um formato de abobada para aumentar a área de pega, e com o auxílio de uma rosca dispensar o uso dos tradicionais abridores.

Vale ressaltar que neste exemplo foi utilizado o objeto tampa que traria as soluções mais obvias, porém, os demais elementos não devem ser descartados, pois deles poderão vir às propostas mais inovadoras.

III.   Resultado

Para nosso exemplo, dentre as soluções abordadas optou-se por executar um esboço de como seria uma tampa com formato de abóbada em uma garrafa de cerveja. Divirtam-se =)

Tampa alternativa para uma garrafa de cerveja

IV.  Referências

ALENCAR, Eunice M. L. Soriano de. O processo da criatividade. São Paulo: Makron, 2000.

WHESHSLER, Solange Muglia. Criatividade: descobrindo e encorajando. Campinas: Livro Pleno, 2002.

0
99

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *