Criatividade e geração de ideias: MESCRAI / SCAMCEA

Voltando a nossa série de “criatividade e geração de ideias”, falaremos hoje do MESCRAI. Trata-se de uma técnica de lista de verificação (checklist) para projetos, processos e ideias. Esta lista é abordada por muitos autores de diferentes áreas de atuação, como por exemplo, o design, a engenharia e psicologia, por conta dessa variação são encontradas […]

Voltando a nossa série de “criatividade e geração de ideias”, falaremos hoje do MESCRAI. Trata-se de uma técnica de lista de verificação (checklist) para projetos, processos e ideias.

Esta lista é abordada por muitos autores de diferentes áreas de atuação, como por exemplo, o design, a engenharia e psicologia, por conta dessa variação são encontradas diferentes nomenclaturas. Ao analisar a obra de Weschsler (2002, p. 234) encontramos sua nomenclatura alterada de MESCRAI para SCAMCEA, percebe-se, portanto, que se trata da mesma ferramenta com outra ordem das palavras, sendo assim conclui-se que a mesma não tem uma nomenclatura específica, e é detectada quando há a presença dos sete termos não obedecendo necessariamente esta ordem: substitua, combine, adapte, modifique, coloque, elimine e arranje.

Definição

Para Baxter (2008, p. 80) MESCRAI trata-se de “[…] uma sigla de ‘Modifique (aumente, diminua.), Elimine, Substitua, Combine, Rearranje, Adapte, Inverta’. Esses termos funcionam como uma lista de verificação para estimular possíveis modificações no produto”. Através de seu uso pode-se analisar cada elemento que compõe o projeto por diferentes pontos de vista. No uso desse procedimento poderão surgir novas ideias sobre sua composição ou mesmo sobre sua aplicação.

Aplicação

Para um rápido exemplo: Imagine uma barra de pesquisa, como a do website da Submarino, agora suponha-se que fora encontrado um problema de usabilidade onde os usuários não estejam conseguindo identificar o campo de busca. Nesse caso, utilizamos o MESCRAI para gerar um conjunto de ideias para possíveis soluções.

Website da submarino.com.br
MESCRAI Ideias
Modifique
(aumente, diminua)
  • Aumentar o tamanho da barra poderá proporcionar maiores chances de percepção;
  • Aumentar o tamanho do ícone de busca (ampulheta) poderá facilitar a identificação da ferramenta por seus usuários;
  • Diminuir a largura e afasta-la de outros elementos poderá melhorar a sua identificação tornando-a um novo elemento conforme as leis da gestalt;
Elimine
  • Eliminar objetos chamativos do entorno da barra de busca poderia aperfeiçoar o seu processo de reconhecimento;
Substitua
  • sem ideias no momento =/
Combine
  • Acrescentar um texto auxiliar dentro do campo de busca poderá convidar o usuário a experimentar a ferramenta além de mostrar exemplos de como interagir com a mesma (“Pesquise por produtos, categorias, artistas ou fabricantes. Ex: Câmera fotográfica Canon 5mp”);
Rearranje
  • Mudar o posicionamento da ferramenta de busca poderá trazer uma nova experiência de interação;
Adapte
  • Inserir um label no botão de pesquisa com uma palavra de ação poderá auxiliar usuários novatos dizendo onde deverão clicar para concluir aquela interação;
Inverta
  • Mudar o ícone de ampulheta para a esquerda permitirá ao usuário identificar a finalidade do campo sem ter que consumir toda a informação presente naquele objeto;

 

Entretanto deve-se tomar cuidado ao utilizar uma lista de verificação, pois Baxter (2008, p. 80) alerta que “[…] o uso de listas de verificação pode entorpecer a mente, especialmente com produtos complexos ou de muitos componentes”.

Por ser uma lista de verificação, e de caráter complementar Weschsler (2002, p. 235) sugere que “A lista SCAMCEA pode ser utilizada como ajuda na tempestade de ideias a fim de podermos aumentar a produção e a originalidade das soluções propostas”. Entretanto, como já foi dito, deve-se ter cautela ao utilizá-la para que não se torne um fator limitante para a mente criativa e corte o fluxo de ideias.

Gostou da ferramenta? Particularmente é uma das minhas favoritas. Agora convido você leitor a continuar esse exercício. Quais outras soluções poderiam ser aplicadas ao nosso exemplo? Lembrando mais uma vez que não se deve criticar / julgar ideias no processo de criação, deixe o julgamento para um posterior processo de filtragem.

Referências:

BAXTER, Mike. Projeto de produto: Guia prático para o design de novos produtos. São Paulo: Edgard Blucher, 2008.

WHESHSLER, Solange Muglia. Criatividade: descobrindo e encorajando. Campinas: Livro Pleno, 2002.

0
99

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *